Boi de zabumba é a nossa tradição!

A brincadeira do Bumba-Boi, existente em grande parte do país, possui significado especial no Maranhão, quando os “bois” saem, durante os festejos juninos, para cumprir promessa: os couros são trocados, são encenados os autos (ou comédias), numa verdadeira teatralização do hibridismo que veio dar corpo à cultura brasileira.

Damásio, terra doada, ainda no século XIX pelo antigo senhor de engenho, Manoel Martins, aos seus escravos é o local de origem do Boi de Guimarães, um dos Bois mais antigos do Maranhão e que deu origem a um sotaque: o sotaque de Guimarães. Toda a região da Baixada (incluindo Guimarães, Mirinzal, Cururupu, Central,  Viana e outros municípios) é conhecida e respeitada, sendo o local de “origem”, segundo relatos orais, do Bumba Boi no Maranhão. Assim, a Baixada e o Litoral Ocidental do Maranhão foram porta de entrada, durante os séculos XVIII até meados do XIX para a escravidão na Amazônia Legal brasileira. Ali a brincadeira de Bumba-Boi é praticada extensamente sobretudo nos povoados rurais, as denominadas “terras de preto”, possuindo fortes vínculos com a população negra (num primeiro momento escrava e posteriormente liberta) do Maranhão.

O dono da “brincadeira” do Boi de Guimarães (Sr Marcelino Azevedo) vem mantendo a tradição herdada de seus pais e avós cuja memória local remete à uma ancestralidade africana e ibérica, seja pelo culto ao animal, seja pela forte oralidade (musicalizada) nestes espaços.

Até meados dos anos sessenta a capital não admitia, na sua zona urbana, a apresentação da brincadeira (Ferretti, 2004) e esta estava sempre atrelada então a espaços da zona rural ou então às casas religiosas, também de ascendência africana (Tambor de Mina e pajés). Muitos locais, como os interiores, ainda se referem a esta como uma brincadeira “de preto”. Atualmente o estado do Maranhão tem sua principal propaganda turística vinculada à imagem dos Bumba-Bois.

O Bumba-Boi de zabumba é tocado com zabumbas rústicas (feitas a mão, de madeira retirada do mangue em data certa, com lua apropriada), arrochadas na corda. Os pandeiritos são feitos de jenipapo e cobertos com couro. As roupas possuem uma riqueza de detalhes bordados em miçangas e canutilhos. Este Boi, em especial, apresenta um modo único de tocar e afinar os instrumentos.

Fortemente estigmatizados (quer pela ancestralidade, quer por processos vinculados ao sistema de políticas culturais atuais) os Bois de zabumba praticamente desapareceram do cenário maranhense. Percorrer as trilhas desta manifestação cultural/musical é trilhar caminhos históricos de perseguição, hibridismo, dinamismo, relacionados à identidade brasileira como um todo e a formação musical local.

Assim, este projeto justifica-se na medida em que traçará caminhos ainda a serem descobertos de relações sociais, parentescos, identidades e territórios. Trabalharemos com etnomusicólogos, linguistas e antropólogos numa interação com a comunidade, buscando não apenas catalogar saberes mas sobretudo estimular práticas únicas de um saber ancestral formado através dos encontros coloniais.

As fortes relações com o mundo ibérico (especialmente português) têm sido negligenciadas nas ultimas décadas, quando as políticas de afirmação no Brasil acabaram por sufocar outras formas de saber que compuseram (e compôem) o quadro cultural de certas regiões, como é o caso da Baixada e de Guimarães (Maranhão). Ali, a presença portuguesa está marcada desde a indumentária até a musicalidade, seja através da “dança portuguesa”, praticada especialmente dentro de áreas como os quilombos, seja pela própria brincadeira do Bumba Boi.

Torna-se necessário observar com mais criticidade esta prática cultural que vem se mantendo há séculos, numa interface com a religiosidade local.  Assim, “ser preto” não basta para compreender as delicadas redes que se formaram ao longo dos séculos neste espaço onde distintas etnias conviveram, tanto dos escravos que ali trabalharam nas plantações de algodão como dos indígenas que transitavam pelas matas amazônicas da borda oeste do Estado maranhense, mas sobretudo o colonizador e sua forte imposição vieram a formar aquilo que hoje chamamos de “patrimônio cultural imaterial”.

Projeto “O Boi Contou” financiado pelo PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.