Todos os artigos de Ana Stela Almeida Cunha

Pós Doutorada em Antropologia Social pelo CRIA e ICS (Lisboa), Professora Adjunta UFMA. Presidente Associação Kazumba e YOKA KA! Faço investigações de terreno em Cuba, Brasil (Maranhão), Angola, Congo (RDC). Interesso-me pela musicalidade no contexto atlântico, especialmente com enfoque religioso, agregando movimentos sociais.

Angola

Music has changed dramatically in the last 10 or 15 years due to  new technologies (Jones, 2002, Stokes, 1997) and social/economic movements have followed or been responsible for some music popularity genders, including rap and eletronic music, stimulated by internet exchanges of DJs, music blogs and other online arenas.

Africa, in  turn, has played a central role in these discussions involving notions of tradition, creativity, identities.

Here I focuse the idea that music and “globalization” go hand and hand, so music, mediation, technology and ontology evolves modes of creativity attendant on music’s changing mediations.

Dealing with Waterman (1990:369) I´m interested in the popular music produced in Africa and its diaspora “as a means of making history, (…), as a medium of retrospective definition of tradition”.

Interdisciplinary in its sources, but anthropological in its methodology,  I´m looking music not only as an aesthetic form, but as a vital component of human culture, engaging its religious, historical, political and economical dimensions.

“Libolo” Project, coordinated by Drº Carlos Figueiredo (UMacau) and Drª Márcia Oliveira (USP, Brazil)

With jesus and the devil: congolese religion practices and the christianity in Cuba and Brazil

For centuries, the history of Christianity has been located in Europe. However, it has been moving steadily southward. In this text I will explore the concept of religious in the “Lusophone Atlantic” (proposed by Sarró and Blanes, 2009 ), “highlighting historical and contemporary exchanges in this continuum and situating research within recent scholarship, regarding the ‘Atlantic,’ religious diasporas and contemporary Christianity. (Sarró & Blanes, 2009:52). 

Corroborating the views of the authors but going beyond, the scope of this project is not only the “Lusophone” but also other areas of the Caribbean and Latin America that experienced slavery, taking portent conceit extended as high than simply linguistic one. My intention is observer the flux of Christianities in conjunction with other local (congolese) practices across the Atlantic, specially Cuba and Brazil,offering an overview of the basic literature and some clues for further comparative analyses.

I will offer ethnographic data on the Palo Monte, an afro cuban religion of Bantu influence whose origin is attributed to the arrival of African slaves on Cuban soil, specially the “Bakongo”(Fuentes Guerra et Schwegler, 2005 ; Rojas-Primus et Schwegler, 2010) and Terecô, in Maranhão, Brazil, where the main “spirit”, Légua Boji Buá da Trindade comes from Cabinda and says that he is an “old angolan”.

My intention is to discuss the sense of “belonging” in two afro religions, in Cuba and Brazil, both having mythical ancestry as the current region of Congo and Angola (specifically Bas Congo), their religions practices and the types of Christianity that have thrived most successfully in the South (Fancello & Mary, 2012).

Projeto CABOCLOS NKISIS – a territorialidade bantu no Brasil e em Cuba

clip-2012-08-31 16;45;22clip-2012-08-31 16;45;22

O projeto, financiado pela OI FUTURO prevê, através de intercâmbios entre mestres da religiosidade banto, antropólogos e fotógrafos/documentaristas, um diálogo acerca das noções de espaço, território e identidade no Brasil (Maranhão) e Cuba (Havana e Villa Clara), tendo como eixe das discussões as religiões de ascendência banto (Pajé de Negros e Terecô, MA e Palo Monte, Cuba).

O objetivo maior é fomentar tais discussões através do uso das novas tecnologias (blogs, câmeras de vídeo, áudio), abrindo espaço então para diálogos simétricos entre fazedores de cultura e seu entorno, bem como propiciar a documentação/registro de bens imateriais/materiais em contexto religioso específico, tanto em Cuba quanto no Brasil, em espaços que foram/são historicamente privados de acessos a estes bens tecnológicos. Assim, no Brasil trabalharemos com terreiros situados em quilombos (Codó e Guimarães) e em Cuba com os cabildos, associações religiosas que remontam à escravidão anterior. Para isso, faremos um intercâmbio entre artistas, religiosos e acadêmicos cubanos e brasileiros, que fomentarão conversas acerca da noção de espaço e identidade e tratarão de retratar essas “sensações” da comunidade visitada através de tecnologias do aúido visual, como fotografias, imagens de vídeo, experimentos de novas técnicas narrativas.

O Kuduru que é feito em Viana, Angola

http://sobola.hypotheses.org/files/2013/09/02-Faixa-2.mp3

 

Lil Pasta, o Sacerdote do Kuduru

Ele é de Viana, cidade vizinha a Luanda.

Angola está viva e dança no pós guerra. E essa é a magia desta musicalidade que remonta aos passos e sons das músicas tradicionais. O kuduro, feito por jovens, revigora esta inventividade constante.

Podemos não gostar do estilo musical mas não podemos negar a sua força.

João da Mata family: dreams, chants and agency in the afro brazilian religion of Pajés

Este artigo faz parte do livro editado pelos amigos Diana Espírito Santo e Ruy LLera Blanes, “The Social Life os the Spirits”,  Chicago UPress.
Trato aqui dos Pajés do Maranhão (da Baixada maranhense) e sua dupla articulação com o mundo de “cá” e de “lá”. Através de sonhos, cantos e palavras eles transitam neste mundo permeável…

Libolo, Kwanza Sul, Angola: Njila yetu!

IMG_3705 Depois de 30 dias entre as comunas do Libolo, município do Kwanza Sul, Angola… eis que a sonoridade adquire outros significados.

O Tambor de Crioula do Maranhão e sua umbigada, os kinfuitis de Cuba… enfim, a NGOMA: revista, reelaborada e resonorizada em outras terras, cá e lá, Brasil, Cuba e Angola numa triangulação maravilhosa!
Aqui a Kisaka e a marimba rimam com a ngoma… coberta com couro de veado, tal como no Maranhão… Soa para os mortos, para quem “já se foi” (nfuiti)… mas também para os de cá.