Das muitas afro-américas em lisboa

 

Desde a manhã a casa recebia gente. Os filhos e filhas de santo, os familiares e os antropólogxs (pela tarde éramos quatro, naquele terreiro) com suas roupas brancas, flores na mão, bolos, frutas.

O Terreiro do Pai João Godinho preparava-se para a sua festa de Iemanjá. Conheci naquele dia o ogã Carlinhos, feito na casa de Mãe Stela de Oxóssi, que vive em Portugal há mais de 15 anos. Estavam também na casa os filhos do Pai Jomar, conhecido Pai de santo de Portugal. 

Feita as obrigações na casa seguimos para o mar, lançar os cestos de flores brancas para a Mãe Iemanjá, odoyá!